pyLottery: Como Presente de Páscoa, Lotomania agora também pode ser conferida

Se você tem um monte de bilhetes de apostas para a Lotomania de Páscoa e quer conferí-los, temos uma boa notícia para você: agora através da pyLottery você pode conferir também seus bilhetes de apostas para mais essa modalidade de apostas das Loterias nacionais.

Funciona basicamente igual as demais, muito simples e fácil de conferir e também de extender em seus projetos e experiências. Aproveitem!

Curso Engenharia Web propõe desenvolvimento sistemático de aplicações para internet

Citação

Nova pós-graduação é voltada a profissionais de tecnologia da informação e interessados em ter uma compreensão mais abrangente da área

O mercado de tecnologia da informação tem buscado profissionais capazes de analisar criticamente o ambiente de desenvolvimento web, com visão orientada para qualidade e melhoria de processos. Atento a esse cenário, o Centro Universitário Senac lança a pós-graduação Engenharia Web, a primeira dessa categoria no Estado de São Paulo. Duas unidades, Senac Lapa Tito e Senac Santo André, vão oferecer o curso no próximo ano, capacitando em 366 horas interessados em planejar e coordenar projetos nesse segmento.

“Definida como o uso sistemático da engenharia no desenvolvimento, na implantação e manutenção de aplicações web de alta complexidade, trata-se de uma nova área do conhecimento, ainda pouco explorada. No Brasil, percebe-se que esse trabalho representa uma parte significativa da produção de empresas de softwares”, comenta Richard Martelli, técnico da área de tecnologia da informação do Senac São Paulo. Além dessas organizações, o engenheiro web pode atuar em instituições de comércio eletrônico, de design, de publicidade, portais de conteúdo, comunidades virtuais, bem como órgãos governamentais e ONGs.

Apesar de fortemente baseado na engenharia de software, o curso apresenta como diferencial ao aluno o tratamento multidisciplinar, tendo como público-alvo é formado por profissionais de análise de sistemas, ciências da computação, sistemas de informação, engenharia de software, web design e mídias interativas, além de pessoas que já atuam na área e desejam uma compreensão mais abrangente.

Mais informações podem ser obtidas em www.sp.senac.br ou diretamente no Senac Lapa Tito e Senac Santo André.

Meu Ambiente de trabalho em 7 itens

Development tools, THLopes.comSeguindo a “corrente do bem” que chegou até mim via Rocha C. Bruno, segue minha lista para Meu ambiente de trabalho em 7 items (Nossa, um número realmente pequeno para esse tipo de brincadeira…), vamos lá:

  1. Python: A linguagem mestre, sempre liderando qualquer projeto. Curiosamente, até em projetos onde o Python não é a linguagem principal, ele exerce sua influência: estou sempre pensando “Pythonicamente” para resolver problemas, aplicando o Zen que a comunidade e linguagem prega. Não é apenas linguagem: é Filosofia!
  2. Django: Nem todos projetos são Web, ou 100% Web. Mas os que atendem a esse requisito, sempre tem esse maravilhoso framework direcionando os trabalhos.
  3. Javascript: Para muitos, é algo bizarro. Para mim, que trabalho a maior parte com interfaces e interação do usuário com os sistemas, é a arma. E como já disse para muitos amigos de trabalho: “Para mim, Javascript é o Python rodando diretamente no Browser.
  4. jQuery: Muitas vezes esse framework chega a se sobrepôr a própria linguagem. Em muitos projetos, dá até pra dizer que temos “mais linhas jQuery do que Javascript puro”. Mas o que isso quer dizer? Que Web sem jQuery realmente é muito mais difícil e demorado! Gosto tanto do framework que criei até uns plugins
  5. Firebug: Se eu tiver de nomear um dos items como minha Shuriken, o Firebug seria sem dúvida! Muito prático, rápido e a ferramenta ideal para “prototipar” qualquer interface. Ainda mais se o cliente estiver do seu lado, esperando uma resposta sua: Você abre o console, algumas linhas e opções depois, você mostra pra ele como pode resolver  o problema… e negócio mais próximo de estar fechado!
  6. Mercurial-HG: Devo confessar, antes usava SVN, e quando a vida me exigiu mudar para Mercurial, tive um pouco de resistência. Mas hoje, alguns meses depois, só vejo vantagens, principalmente  após usar os excelentes recursos do Bitbucket e saber que várias boas ferramentas que utilizo, inclusive o próprio Python, tem seu código armazenado por lá, e também que Mercurial é uma ferramenta escrita em Python.
  7. Eclipse: Não vou morrer se o Eclipse não abrir… mas vou ganhar várias horas de lazer com algumas praticidades que ele traz: com essa IDE, eu centralizo diversas outras ferramentas, libraries, automatizo alguns procedimentos, debugs, vários ambientes de execução e depuração customizados com fácil acesso… enfim, um verdadeiro Canivete Suíço! Claro, ele tem que estar turbinado com alguns plugins, tais como: Aptana, PyDev, Mercurial, etc.

E assim como outros fizeram, vamos às menções honrosas de outras ferramentas que fazer uma pontinha no ambiente com menos frequência. Percebam que muitas ferramentas são claramente feitas para rodar em Windows, geralmente para suprir necessidades que são padrão no Linux

  1. Ubuntu: Companheiro de cada dia! Geralmente uso Windows por conveniência (sempre compro notebooks com Windows original pré-instalado, e dá uma preguiça de instalar e configurar um novo sistema… apesar de que nas últimas versões de Ubuntu esse processo estar facílimo!). Certas coisas na vida de um desenvolvedor só são possíveis num sistema Linux, e Ubuntu é o mestre nesse aspecto. Um exemplo é um projeto recente que estou trabalhando que envolve processamento de vídeo, usando FFMpeg e PyFFMpeg. Praticamente impossível de rodar em Windows… porém, no Linux, é mamão-com-açúcar
  2. Google App Engine SDK: Ferramenta essencial para projetos dentro da plataforma do Google. Quando usando com Eclipse, basta integrar no ambiente ou no projeto e o Eclipse/Pydev faz toda a interface pra você.
  3. Putty: Quando não no Linux, uma ferramenta essencial para conectar-se a sistemas remotos.
  4. iPython: Mão na roda para agilizar alguns comandos experimentais e em testes (Experimentando o DreamPie também)
  5. XAMPP: Outra ferramenta indispensável quando desenvolvendo fora do Linux
  6. phpMyAdmin: Muita gente torce o nariz, mas essa ferramenta é muito boa e prática. Só não é melhor por não ser em Python, :D .
  7. Skype: Para conversar com a equipe, clientes, e até fazer pequenos treinamentos
  8. DropBox: Backup e compartilhamento entre máquinas remotas. Uso principalmente como backup automatizado do meu ambiente de desenvolvimento remoto e até apaga alguns
  9. VMWare Player: Para rodar mais de um sistema de uma vez, permitindo testes (compatibilidade e usabilidade) mais rápidos e práticos
  10. VNC / Win2VNC: Também para rodar mais de um sistema de uma vez, mas aqui, para controlar mais de uma máquina com um único teclado e mouse, não para visualização remota (inclusive, acho horrível…)
  11. Pencil (Firefox Add-on): Para fazer Wireframes

Para dar continuidade, convido os amigos para seguir nesse trend:

@mauriciosl
@jeanwainer
@ergalassi
@marcelohonorio
@odranoel
@Ericgoes
@marcosriso

zipando arrays javascript como no python

Essa dica rápida é para aqueles que estão procurando uma forma de mesclar (merge) arrays em Javascript como é feito em Python através da função zip():

function zip() {
    var merged=[],arrays=[],lengths=[];
    for(var i=0; i<arguments.length; i++) {
        arrays.push(arguments[i]);
        lengths.push(arguments[i].length);
    }
    for (var i=0; i < Math.min.apply(null,lengths); i++) {
        merged[i] = arrays.map(function(value) { return value[i]; });
    }
    return merged;
}

Enjoy!!!

Republicando: jQuery, de olho nos gaps

Estou republicando esse artigo pois o mesmo recebeu um comentário, e ao mesmo tempo, é um assunto que ainda assola muitas pessoas que utilizam jQuery, principalmente quem começou com ela há pouco tempo.

Qual webdeveloper nunca usou jQuery[bb]? Muito difícil… Bom, mas vamos falar de algo que nem todos os developers[bb] que usam jQuery se atentam ao programar. Eu mesmo fui pego hoje por um gap que me tomou alguns minutos da tarde…

Algumas funções (na verdade, a maioria nesse framework) recebem outras funções como callback, aquela função que será chamada assim que a instrução/função chamada acabar seu procedimento. Um exemplo muito utilizado em aplicações reais são as

Funções Ajax

load( url, data, callback )
Returns: jQuery. Load HTML from a remote file and inject it into the DOM.

jQuery.get( url, data, callback, type )
Returns: XMLHttpRequest. Load a remote page using an HTTP GET request.

jQuery.getJSON( url, data, callback )
Returns: XMLHttpRequest. Load JSON data using an HTTP GET request.

Continuar lendo

IBM adota Firefox como browser padrão

Algumas coisas as vezes demoram pra acontecer. Mas quando falamos de grandes companhias, é comum uma mudança demorar pra propagar. É o que aconteceu somente agora: IBM adota Firefox como seu browser padrão. Desde antes da época que trabalhei no departamento web aqui no Brasil, os profissionais do departamento já brigavam para emplacar o Firefox dentro da companhia, mas devido à cultura corporativa adotada, o IE ainda reinava.

Lembro até de campanhas internas para lembrar alguns desenvolvedores que o IE deveria estar instalado em suas máquinas para entrar no esquema de testes. Espero que o IE6 não esteja mais na maioria das máquinas, como acontecia também (afinal, ter um IE6 em sua máquina é um risco considerável…).

Como disse a editoria de Tecnologia do IG, a IBM adotou o browser por sua veia OpenSource (uma quebra de rotina dessas só poderia partir mesmo do braço livre da empresa), por ter melhor suporte para extensões (aqui com certeza os desenvolvedores quem bateram o pé) e a meu ver, principalmente por ser mais customizável (e assim, a gigante poder ter um melhor controle das ferramentas utilizadas por seus colaboradores, como recursos). Claro, podemos esperar outros motivos ainda, afinal, empresas desse porte nunca fazem mudanças globais sem antes calcular minuciosamente o quanto poderão economizar/ganhar com uma ação dessas. Talvez vejamos em alguns meses alguma nova ferramenta interna sendo vendida globalmente, baseada na tecnologia do browser.

Mas claro, quem conhece, sabe que os benefícios de adotar um browser mais robusto são muito bem vindos, seja sua empresa pequena ou gigante.

Confira mais no iG – Tecnologia

Nerdcast sobre programadores

Nerdcast #211 Profissão: programador

Quem acompanha o blog sabe que esporadicamente posto links para podcasts de assuntos relacionados a THLopes. E aqui está mais: o Nerdcast de hoje, cujo tema é Profissão: Programador. Como este que vos escreve atua nessa profissão, recomendo ouvir esse excelente podcast para fechar sua sexta-feira. Boas risadas e descobertas!