Visualizando a Internet

Treemap of the Internet Top 100 Sites

Encontrei no site da BBC, esse incrível TreeMap (pra quem não sabe, é um gráfico que permite visualizar grandes quantidades de dados em um espaço pequeno, de uma forma bem condensada) mostrando uma ‘fotografia’ que representaria nossa internet, através de uma pesquisa com os Top 100 Sites. Realizada pelo grupo Nielsen, como parte do projeto SuperPower, uma temporada de programas explorando o poder da Internet.

Cada conjunto de quadrados da mesma família de cores representa um dos sites daquela categoria. Por exemplo, em Busca e Portais, o maior grupo, temos 5 grandes sites disputando terreno na lista. Já em Vídeo, temos apenas, ou seja, apenas um grande site dessa categoria entrou no Top 100.

Visitando o site da BBC, você pode interagir melhor com o gráfico, e visualizar detalhes de cada categoria.

Veja meus livros no Facebook

VEJA Meus Livros, agora no facebookVeja meus livros, aplicativo social criado para a VEJA.com foi lançado essa semana também para Facebook.

Novidades da Rede no Veja Meus livrosDepois de ser lançado na rede social mais usada no Brasil, o Orkut, estava mais do que na hora de lançar também na rede social que mais cresce nesse território, o Facebook. Depois de quase dois meses de trabalho contínuo, a Crowds and Clouds Social Software inicia uma nova época para os aplicativos sociais “utilitários” brazucas, trazendo ao Facebook, onde imperam os games, um aplicativo social com utilidade comprovada para os usuários.

Nessa versão estão presentes os mesmos recursos da versão Orkut, com algumas funcionalidades melhoradas, correções, e muitos, mas muitos mesmo, improvements que tornaram o aplicativo muito mais rápido. Uma alteração na dinâmica de novidades tornou o aplicativo muito mais atraente para os novos usuários: ao entrar no aplicativo, invés de ver as novidades apenas dos amigos, você pode conferir as novidades de todos os usuários da rede, permitindo que você alcance mais pessoas para compor sua rede social com interesses compartilhados, também permitindo que você conheça mais livos de seu interesse. Nesse sentido, você também pode ver as novidades apenas do dono do perfil que você está visualizando no momento, seja o seu ou de algum amigo que você tenha descoberto através do aplicativo.

Outra grande inovação que o aplicativo carrega é a possibilidade de integrar seu aplicativo com o Orkut, caso também o tenha instalado lá. Assim, você não precisa adicionar todos livros e montar sua biblioteca novamente, basta executar  processo de integração (2 passos simples, que você confere ao clicar no botão na barra superior do aplicativo) e voi-lá, sua biblioteca do Orkut estará integrada com a do Facebook,  e vice-versa também funciona.

Conecte no Veja meus livrosO mais legal é que, elas estarão realmente ‘integradas’: as alterações que fizer em uma das redes vai aparecer também na outra. Totalmente inédito no mercado, ação pioneira. E isso não para nessas duas redes, esse processo já está pronto para acontecer em qualquer rede social que o aplicativo venha a funcionar. Um só código, uma funcionalidade, várias redes…

Agora, vamos esperar para ver a repercussão nessa rede social onde, teoricamente (via pesquisas), o nível cultural é maior, onde as pessoas realmente buscam conteúdo relevante para seus estilos de vida e experiência na Web. Enquanto esperamos, que tal já lançar redes em outros mares? Então, faça sua experiência agora mesmo, experimente o aplicativo , e deixe registrada sua opinião.

Facebook ataca novamente

Facebook screenshot

Quem disse que é o fim do e-mail? Algumas celebridades da Internet dizem que o tempo do e-mail acabou. Não é o que os cabeças do Facebook acreditam. Após lançar uma novidade polêmica na área técnica (o projeto HipHop), agora o prodígio das redes sociais quer atacar um dos principais produto do Google (exatamente, esse projeto já está sendo chamado de Gmail Killer), pelo menos é o que apontam alguns rumores.

Há um tempo que as mensagens do Facebook estão indiretamente linkadas com o e-mail interno (sistema de mensagens), e com algumas novidades que estão sendo implementadas, como a busca, dão a entender de que a aposta deles é investir nesse aspecto da rede social. Chamado Projeto Titan (olha a mania de grandeza), terá suporte completo POP/IMAP, permitindo aos usuários terem seu próprio vanityurl@facebook.com.

Assim como no post original, eu ainda não acho que seja o Davi para o Golias Gmail. Mas a possibilidade de linkar sua vanityurl como uma conta de e-mail é um pé na frente para o Facebook começar na área do e-mail.

Novidade no Twitter: Hovercards

Twitter Hovercard screenshot

Hoje o Twitter lançou um novo recurso:  Hovercards. A idéia é simples, como podemos notar pelo nome (hover, do evento do mouse; card, de cartão): mostrar a informação do usuário quando você colocar o mouse em cima de seu nick (por exemplo, quando alguém dá um tweet @fulano mandando uma resposta direta a ele), como um cartão de visita. É bem prático, pois permite que você saiba um pouco mais das pessoas com quem seus seguidos se relacionam, expandindo suas possibilidades de contatos. Excelente para ajudar a filtrar indivíduos relevantes para você seguir! Ele permite ter uma visão de cartão expandido, mostrando ainda mais informação. Também é possível enviar mensagens direto dele.

Mais legal ainda: ele permite que você siga a pessoa ali mesmo, sem necessidade de trocar de página. Também vai mostrar o status, caso você já o siga. A meu ver, uma ótima ação dos desenvolvedores do Twitter, otimizando não só a experiência do usuário, mas também o desempenho de seus serviços (isso com certeza vai diminuir a carga dos servidores web do Twitter). Não vai demorar muito para ver esse conceito pipocar em outras redes e aplicativos sociais agora…

Porém, é um recurso que não vai aparecer para todos usuários de uma única vez. Será implantando ao poucos (que mania que essas redes sociais tem de fazer suspense com as funcionalidades…) Fique atento, mais cedo ou mais tarde, você verá!

Chrome ganhando terreno

Uma pesquisa do NetApplications relevou que, enquanto o Internet Explorer vai perdendo sua posição no mercado,  um terceiro player quem vai tomando espaço: o Google Chrome.

Firefox x Chrome

Cheguei a comentar em um post anterior, que na briga entre Firefox e IE, quem poderia ganhar era o Chrome.  Visite esse post da Info para mais detalhes da pesquisa. Ultimamente, tenho experimentado bastante o Google Chrome. Realmente, tem muito mais estabilidade e velocidade, com sua engine de Javascript V8, DNS dedicado, etc… além de ter cada aba como um Thread. Ou seja, não vai ser um simples site que vai derrubar seu navegador (a não ser que derrube o sistema todo). Creio que o principal apelo para quem chega ao Chrome é estar cansado de esperar muito pelo carregamento das páginas. Os engenheiros do Chrome perceberam isso e atacaram o problema de diversas formas diferentes, conseguindo um resultado muito bom: navegar no Chrome é a melhor experiência para os usuários comuns.

Outra coisa muito interessante: é muito parecido com o Firefox: Atalhos, funcionalidades (até o Shift+CTRL+T, para reabrir abas fechadas recentemente). Vários outros atalhos e formatos são muito parecidos, tornando mais fácil ainda a migração dos antigos usuários da Mozilla. Um amigo comentou comigo outro dia: “a Google sempre apoiou o desenvolvimento do Firefox, mas claro, sempre aproveitando seu código, seu funcionamento, para um dia chegar e lançar um browser com tudo de bom e mais um pouco”. Concordo. Talvez seja por isso que recebemos a notícia recente de que o buscador padrão do Firefox no Ubuntu seria a do Yahoo.

Porém, para desenvolvimento, ainda falta melhorar. As ferramentas que ele possui para ajudar os desenvolvedores ainda é muito precária, não permitindo muitas alterações em tempo real (pelo menos não com o mesmo dinamismo) que  no Firebug do Firefox ainda é muito superior. Mas isso ainda pode mudar já que o Chrome agora tem suporte a Add-ons, sem contar que scripts GreaseMonkey rodarão nativamente dentro do browser, sem necessidade plugin. Tudo isso, como um esforço para atrair a atenção dos desenvolvedores e aumentar o crescimento no mercado de browsers. Se não bastasse, ainda lançou um concurso, premiando em dinheiro quem encontrar bugs no navegador.

De qualquer forma, ainda não abandono o Firefox para desenvolver aplicações web. Principalmente porque ele ainda tem uma boa parcela do mercado, e também porque suas ferramentas de desenvolvimento são, em minha opinião, muito superiores.

Facebook x PHP

Facebook X PHP

Logo mais será anunciado algo que vai gerar um bom buzz na Internet Mundial: o Facebook está reescrevendo parte (senão todo) o seu código PHP, além de estarem trabalhando num novo compilador para a linguagem. A motivação seria a lentidão sofrida pela rede social. Alguns encaram isso como afronta à Zend, principal mantenedora do PHP. Mas será que o Facebook não quer se tornar uma importante companhia por trás da linguagem? Se quiser mais sobre o fato, acesse esse post.

Alguns meses atrás o Facebook também lançou um servidor web próprio, especifico para dar conta das atualizações em tempo real de seu feed ao vivo (desenvolvido em Python, inclusive. Quem disse que Python é lento?). Juntando todos os fatos, creio que eles estejam brigando para serem a rede social mais rápida da Internet. É uma tarefa complicada, visto o número crescente de usuários.

Enquanto isso, alguns desenvolvedores de Aplicativos sofrem com problemas de latência com suas apps no Orkut, que trabalha mudanças para entrar nessa briga também, além de prover melhores estatísticas e métricas para os desenvolvedores.

Vida longa ao Unicode!

A luta pela padronização na Web comemora mais um grade fato: o Unicode (se você não reconhece esse termo, que tal UTF-8?) reina quando o assunto é o encoding utilizado pelas páginas (pelo menos as encontráveis pelo Google). Confira uma parte do post feito por Augusto Campos no blog BR-Linux.org:

Unicode é o mais usado na Web

E esta maioria está a poucos passos de galgar um degrau a mais: tornar-se superior à soma de todas as demais opções – ao menos no que diz respeito ao conjunto dos sites indexados pelo Google.

Consta que o Google vai promover uma festa quando a marca de 50% for ultrapassada. E como a tendência está bem clara no gráfico, não deve demorar. (via h-online.com)

Bom, se houver mesmo uma festa, eu gostaria de ir, mas… será que essa festa será uma festa normal?!?!?

De qualquer forma, é um acontecimento que devemos comemorar (profissionais da web), pois é um grande avanço rumo a um trabalho melhor, menos dependente de monopólios, mais colaborativa ainda! Como muitos leitores já sabem, quando se trabalha com dados oriundos da Web, já é uma briga conseguir extrair tudo num formato decente para seu banco de dados. Quando ainda temos que lidar com vários conjuntos de caracteres diferentes, quando é tão simples usar um único conjunto. Recomendo, caso você trabalhe com Python, a biblioteca BeautifulSoup, que fará a maior parte do esforço para você lidar com aquelas páginas que insistem em não usar o Unicode. Aliás, segue aqui um ótimo artigo para quem quer falar a mesma língua com a maioria do mundo: Tudo sobre Python e Unicode

Cheers!