Confere.Me: mais um projeto, facilitando ainda mais os bolões

Confere.Me em vários dispostivos

A Mega da Virada 2013 está chegando aí para fazer mais alguns milionários em nosso país, e a THLopes.com resolveu liberar seu mais recente projeto voltado para loterias: o Confere.Me. Depois de várias semanas de trabalho duro, trazemos ao público o mais novo aplicativo online feito sob medida. Através do Confere.Me os apostadores terão uma ferramenta para gerenciar e conferir apostas, além de uma série de outras ferramentas que estão em nosso roadmap.

Nossa proposta é uma interface muito simples e prática, e uma dinâmica de trabalho que permita ao usuário sempre ter acesso ao serviço básico (conferir suas apostas), mesmo sem pagar nada. Nossa missão é que  você não perca nenhum prêmio de suas loterias e apostas por falta de conferência. Nossa missão também é ajudar você com suas apostas ao máximo!

Cadastre-se agora mesmo, experimente, mande suas sugestões, dúvidas, críticas, reclamações, pois nós estamos em constante desenvolvimento para entregar o melhor para os apostadores do Brasil, e contamos com você para isso!

Todo mundo quer jogar

Quando era pequeno, eu costumava sonhar que um dia viveria de games: sentado e jogando o dia inteiro seria a forma como ganharia a vida, detonando games e escrevendo para as revistas que comprava tão logo chegavam nas bancas. Um sonho um tanto utópico, eu reconheço, mas que demonstrava a paixão pelos jogos eletrônicos (e o nobre desejo de trabalhar naquilo que se gosta). Muito tempo se passou, e estou realmente ganhando a vida sentado e escrevendo… mas não sobre os games que imaginava, mas de certa forma, ainda tenho jogos envolvidos no meu trabalho.

Já é do conhecimento de quem já esteve aqui antes que tenho um certo apreço pelas loterias, e até já criei alguns scripts para ajudar na conferência e montagem de jogos para as Loterias Mega Sena e Lotofácil (PyLottery). Mas poucos sabem que já desenvolvi um jogo para Desktop em Java (Quem diria, mas foi durante a faculdade) e por muito pouco não acabei fazendo parte, indireta e diretamente, de um dos mais recentes ramos da TI: os jogos online.

Os jogos online abriram um grande leque para os jogadores do mundo real também. Antes, para jogar poker com alguém que não a máquina, você tinha que ir até a casa de um vizinho ou amigo. Com o advento da Internet e dos jogos em rede, você pode jogar exatamente agora com uma pessoa em qualquer lugar do globo através de sites como o partypoker, só pra citar um exemplo dos jogos de cartas, fora uma infinidade de outros gêneros como tabuleiro, estratégia, RPG, Simuladores, e uma aí vai uma lista quase-sem fim… Tem para todos os gostos!

Muitas empresas de marketing digital perceberam que o ser humano, sempre competitivo, não resiste a um bom jogo, pronto a desafiar seus colegas, ávido para ver seu nome entre os TOP 10 do ranking. E com a explosão das redes sociais, esse comportamento se tornou ainda mais latente. Especialistas também perceberam que alguns desses elementos da mecânica dos jogos (Competição, Ranking, Emblemas, Pontuação/Dinheiro, etc)  poderiam ser explorados em outros tipos de aplicativos dentro das redes sociais, e aí começam a surgir aplicativos e campanhas digitais com cara de jogos, incentivando os usuários a interagir em troca de recompensas e badges, inflando o ego dos jogadores, e consequentemente alavancando as marcas envolvidas. Algumas vezes, a mecânica do jogo está tão bem inserida em nichos diversos que os usuários mal percebem que estão competindo por status entre a comunidade.

Esse fenômeno, chamado nos portais e na mídia social de gamificação (alguns clamam ter surgido dentro das corporações para incentivar a adoção de metodologias e processos, outros nas redes sociais), chegou num nível que já existem empresas que oferecem serviços especializados de desenvolvimento e manutenção de estratégia de jogos online para marcas, como a Social Mediation, além de outras que se especializaram em jogos sociais como a Zynga que tentam emplacar  até uma moeda virtual em larga escala. Chegou num nível que as próprias produtoras de games querem aproveitar esse movimento e tornam suas grandes produções em pequenas peças dentro de um game maior, de escopo global, onde cada conquista dentro do jogo individual incrementa o ranking dentro das redes (PSN, XBoxLive, Steam, Origin, Newgrounds entre outras) dando visibilidade para o jogador, fazendo com que ele jogue cada vez mais, o que por sua vez, vai gerar mais lucro para os donos da rede, os produtores dos jogos e as marcas anunciantes. Todo mundo quer jogar, independente do lado do tabuleiro em que se encontra, e no final, todos acabam ganhando.

E você? Ficou ansioso para ver sua marca e seus produtos caírem no gosto das redes sociais? A THLopes em breve apresentará alguns cases de aplicação dessas estratégias. Ou quem sabe ficou apenas com vontade de encarar uma partida online? Também estamos aí!

Independência ou Morte – O que você faz por isso?

“Remember, remember, the Seventh of September”…

Nem todos vão entender a referência, mas o intuito é lembrar a todos o que vamos comemorar: a Independêndia do Brasil, quando Dom Pedro declarou que o país não estava mais sob o poder da “Matriz”, Portugal, gritando independencia ou morte, nas margens do Rio Ipiranga.

Quero aqui fazer uma ligação entre dois fatos muito distantes na escala temporal, mas muito próximos em seus intuitos. Quero relacionar o dia de nossa Independência como nação com o dia que exercemos nosso “direito” de escolher nossos futuros representantes. É um momento propício para exercer um ato que clama por independência. Está certo, não temos muitas escolhas, mas certamente temos a chance de “escolher o menos pior”, de renovar um pouco o comando da cidade, de dar chance a quem quer realmente lutar pelo povo como um todo, e não por minorias. Porém, alguns ainda estão dependentes (e assim o preferem) de ajuda momentânea e assistencialismo, e vendem seu voto por coisas tão passageiras e banais quanto possa imaginar. Lembram-se desse oportunismo e esquecem que muitos estão no poder há muito tempo, mas em suas campanhas “se vendem” como se fossem novidade para a cidade. Cada um pode fazer um pouco por todos, porque nada foi feito até agora? E você, vai fazer algo por sua cidade por 4 anos ou vai fazer algo por você que não vai durar um final de semana?

Você, cidadão, tem o poder para retirar do poder aqueles que só se aproveitam dele traindo o povo. Não é necessário uma conspiração ou um atentado, mas seu voto pode ser tão forte quanto um barril de pólvora contra os aproveitadores que mamam nas tetas do governo, sustentados pelo suor e a vitalidade do povo. Mesmo que não tenhamos opções para renovar tudos de uma única vez, precisamos fazer o nosso melhor.

Que daqui um mês, todos possam dar um grito por Independência, exercendo bem seu direito e votando em pessoas sérias e que trabalham pela cidade, que não a vejam apenas como uma fonte de recursos para bens pessoais. Que possamos dar um passo rumo à um futuro melhor, melhor administrado e mais justo para todos.

Curso Engenharia Web propõe desenvolvimento sistemático de aplicações para internet

Citação

Nova pós-graduação é voltada a profissionais de tecnologia da informação e interessados em ter uma compreensão mais abrangente da área

O mercado de tecnologia da informação tem buscado profissionais capazes de analisar criticamente o ambiente de desenvolvimento web, com visão orientada para qualidade e melhoria de processos. Atento a esse cenário, o Centro Universitário Senac lança a pós-graduação Engenharia Web, a primeira dessa categoria no Estado de São Paulo. Duas unidades, Senac Lapa Tito e Senac Santo André, vão oferecer o curso no próximo ano, capacitando em 366 horas interessados em planejar e coordenar projetos nesse segmento.

“Definida como o uso sistemático da engenharia no desenvolvimento, na implantação e manutenção de aplicações web de alta complexidade, trata-se de uma nova área do conhecimento, ainda pouco explorada. No Brasil, percebe-se que esse trabalho representa uma parte significativa da produção de empresas de softwares”, comenta Richard Martelli, técnico da área de tecnologia da informação do Senac São Paulo. Além dessas organizações, o engenheiro web pode atuar em instituições de comércio eletrônico, de design, de publicidade, portais de conteúdo, comunidades virtuais, bem como órgãos governamentais e ONGs.

Apesar de fortemente baseado na engenharia de software, o curso apresenta como diferencial ao aluno o tratamento multidisciplinar, tendo como público-alvo é formado por profissionais de análise de sistemas, ciências da computação, sistemas de informação, engenharia de software, web design e mídias interativas, além de pessoas que já atuam na área e desejam uma compreensão mais abrangente.

Mais informações podem ser obtidas em www.sp.senac.br ou diretamente no Senac Lapa Tito e Senac Santo André.

Meu Ambiente de trabalho em 7 itens

Development tools, THLopes.comSeguindo a “corrente do bem” que chegou até mim via Rocha C. Bruno, segue minha lista para Meu ambiente de trabalho em 7 items (Nossa, um número realmente pequeno para esse tipo de brincadeira…), vamos lá:

  1. Python: A linguagem mestre, sempre liderando qualquer projeto. Curiosamente, até em projetos onde o Python não é a linguagem principal, ele exerce sua influência: estou sempre pensando “Pythonicamente” para resolver problemas, aplicando o Zen que a comunidade e linguagem prega. Não é apenas linguagem: é Filosofia!
  2. Django: Nem todos projetos são Web, ou 100% Web. Mas os que atendem a esse requisito, sempre tem esse maravilhoso framework direcionando os trabalhos.
  3. Javascript: Para muitos, é algo bizarro. Para mim, que trabalho a maior parte com interfaces e interação do usuário com os sistemas, é a arma. E como já disse para muitos amigos de trabalho: “Para mim, Javascript é o Python rodando diretamente no Browser.
  4. jQuery: Muitas vezes esse framework chega a se sobrepôr a própria linguagem. Em muitos projetos, dá até pra dizer que temos “mais linhas jQuery do que Javascript puro”. Mas o que isso quer dizer? Que Web sem jQuery realmente é muito mais difícil e demorado! Gosto tanto do framework que criei até uns plugins
  5. Firebug: Se eu tiver de nomear um dos items como minha Shuriken, o Firebug seria sem dúvida! Muito prático, rápido e a ferramenta ideal para “prototipar” qualquer interface. Ainda mais se o cliente estiver do seu lado, esperando uma resposta sua: Você abre o console, algumas linhas e opções depois, você mostra pra ele como pode resolver  o problema… e negócio mais próximo de estar fechado!
  6. Mercurial-HG: Devo confessar, antes usava SVN, e quando a vida me exigiu mudar para Mercurial, tive um pouco de resistência. Mas hoje, alguns meses depois, só vejo vantagens, principalmente  após usar os excelentes recursos do Bitbucket e saber que várias boas ferramentas que utilizo, inclusive o próprio Python, tem seu código armazenado por lá, e também que Mercurial é uma ferramenta escrita em Python.
  7. Eclipse: Não vou morrer se o Eclipse não abrir… mas vou ganhar várias horas de lazer com algumas praticidades que ele traz: com essa IDE, eu centralizo diversas outras ferramentas, libraries, automatizo alguns procedimentos, debugs, vários ambientes de execução e depuração customizados com fácil acesso… enfim, um verdadeiro Canivete Suíço! Claro, ele tem que estar turbinado com alguns plugins, tais como: Aptana, PyDev, Mercurial, etc.

E assim como outros fizeram, vamos às menções honrosas de outras ferramentas que fazer uma pontinha no ambiente com menos frequência. Percebam que muitas ferramentas são claramente feitas para rodar em Windows, geralmente para suprir necessidades que são padrão no Linux

  1. Ubuntu: Companheiro de cada dia! Geralmente uso Windows por conveniência (sempre compro notebooks com Windows original pré-instalado, e dá uma preguiça de instalar e configurar um novo sistema… apesar de que nas últimas versões de Ubuntu esse processo estar facílimo!). Certas coisas na vida de um desenvolvedor só são possíveis num sistema Linux, e Ubuntu é o mestre nesse aspecto. Um exemplo é um projeto recente que estou trabalhando que envolve processamento de vídeo, usando FFMpeg e PyFFMpeg. Praticamente impossível de rodar em Windows… porém, no Linux, é mamão-com-açúcar
  2. Google App Engine SDK: Ferramenta essencial para projetos dentro da plataforma do Google. Quando usando com Eclipse, basta integrar no ambiente ou no projeto e o Eclipse/Pydev faz toda a interface pra você.
  3. Putty: Quando não no Linux, uma ferramenta essencial para conectar-se a sistemas remotos.
  4. iPython: Mão na roda para agilizar alguns comandos experimentais e em testes (Experimentando o DreamPie também)
  5. XAMPP: Outra ferramenta indispensável quando desenvolvendo fora do Linux
  6. phpMyAdmin: Muita gente torce o nariz, mas essa ferramenta é muito boa e prática. Só não é melhor por não ser em Python, :D .
  7. Skype: Para conversar com a equipe, clientes, e até fazer pequenos treinamentos
  8. DropBox: Backup e compartilhamento entre máquinas remotas. Uso principalmente como backup automatizado do meu ambiente de desenvolvimento remoto e até apaga alguns
  9. VMWare Player: Para rodar mais de um sistema de uma vez, permitindo testes (compatibilidade e usabilidade) mais rápidos e práticos
  10. VNC / Win2VNC: Também para rodar mais de um sistema de uma vez, mas aqui, para controlar mais de uma máquina com um único teclado e mouse, não para visualização remota (inclusive, acho horrível…)
  11. Pencil (Firefox Add-on): Para fazer Wireframes

Para dar continuidade, convido os amigos para seguir nesse trend:

@mauriciosl
@jeanwainer
@ergalassi
@marcelohonorio
@odranoel
@Ericgoes
@marcosriso

Veja meus livros no Facebook

VEJA Meus Livros, agora no facebookVeja meus livros, aplicativo social criado para a VEJA.com foi lançado essa semana também para Facebook.

Novidades da Rede no Veja Meus livrosDepois de ser lançado na rede social mais usada no Brasil, o Orkut, estava mais do que na hora de lançar também na rede social que mais cresce nesse território, o Facebook. Depois de quase dois meses de trabalho contínuo, a Crowds and Clouds Social Software inicia uma nova época para os aplicativos sociais “utilitários” brazucas, trazendo ao Facebook, onde imperam os games, um aplicativo social com utilidade comprovada para os usuários.

Nessa versão estão presentes os mesmos recursos da versão Orkut, com algumas funcionalidades melhoradas, correções, e muitos, mas muitos mesmo, improvements que tornaram o aplicativo muito mais rápido. Uma alteração na dinâmica de novidades tornou o aplicativo muito mais atraente para os novos usuários: ao entrar no aplicativo, invés de ver as novidades apenas dos amigos, você pode conferir as novidades de todos os usuários da rede, permitindo que você alcance mais pessoas para compor sua rede social com interesses compartilhados, também permitindo que você conheça mais livos de seu interesse. Nesse sentido, você também pode ver as novidades apenas do dono do perfil que você está visualizando no momento, seja o seu ou de algum amigo que você tenha descoberto através do aplicativo.

Outra grande inovação que o aplicativo carrega é a possibilidade de integrar seu aplicativo com o Orkut, caso também o tenha instalado lá. Assim, você não precisa adicionar todos livros e montar sua biblioteca novamente, basta executar  processo de integração (2 passos simples, que você confere ao clicar no botão na barra superior do aplicativo) e voi-lá, sua biblioteca do Orkut estará integrada com a do Facebook,  e vice-versa também funciona.

Conecte no Veja meus livrosO mais legal é que, elas estarão realmente ‘integradas’: as alterações que fizer em uma das redes vai aparecer também na outra. Totalmente inédito no mercado, ação pioneira. E isso não para nessas duas redes, esse processo já está pronto para acontecer em qualquer rede social que o aplicativo venha a funcionar. Um só código, uma funcionalidade, várias redes…

Agora, vamos esperar para ver a repercussão nessa rede social onde, teoricamente (via pesquisas), o nível cultural é maior, onde as pessoas realmente buscam conteúdo relevante para seus estilos de vida e experiência na Web. Enquanto esperamos, que tal já lançar redes em outros mares? Então, faça sua experiência agora mesmo, experimente o aplicativo , e deixe registrada sua opinião.